Dr. Migowski comenta mudanças na 43ª edição de ‘A Vida do Bebê’

A primeira edição é de 1941, e com o passar dos anos o livro foi atualizado. Um dos destaques é a questão nutricional, que começa na gestação.

O pediatra brasileiro Rinaldo de Lamare se tornou uma referência entre gerações ao escrever o best-seller ‘A Vida do Bebê’, considerado há décadas a bíblia dos pais de primeira viagem. O livro ganha agora sua 43ª edição, completamente revista e atualizada sob a coordenação do professor Edimilson Migowski, diretor do Instituto de Pediatria da UFRJ.

A nova edição fala muito dos primeiros mil dias do bebê, que vai desde o período de gestação da mãe até ele completar dois anos. Embora o debate sobre o assunto só tenha começado há aproximadamente cinco anos, Lamare já tinha percebido que esse período é fundamental para a formação da criança.

A nova edição destaca a importância da nutrição do bebê, que vai desde o período que ele está na barriga da mãe. Uma das recomendações para a gestante é que ela não coma muito açúcar, pois assim a criança não irá se habituar a ele. Uma boa nutrição também evita uma série de enfermidades no futuro, como diabetes e sobrepeso.

A questão nutricional foi uma das coisas que mais mudou desde a primeira edição do livro, que foi escrito em 1941. Informações que não são mais consideradas corretas foram retiradas.

A atualização procura tocar em assuntos que são de grande preocupação para as mães de primeira viagem, como a segurança dos bebês. Eles se submetem a muitos riscos, como enfiar dedo na tomada, cair na piscina e se jogar da janela. O livro também ensina e ilustra como resolver problemas que podem salvar a vida da criança, como a reanimação cardiorrespiratória.

O doutor Edimilson Migowski reforça que a 43ª edição de ‘A Vida do Bebê’ trata questões que não eram conhecidas no passado.

“A parte forte do livro, no meu entendimento, é a questão nutricional. Foi inclusive revisada por uma nutricionista também. Tem a parte de vacinação, que eu mesmo fiz a revisão porque é uma área de ação minha muito grande. Tem também a parte de armazenamento de sangue de cordão umbilical, que é uma novidade, que na época que o de Lamare escreveu não tinha”, explica Migowski.

Fonte: http://glo.bo/1v8jvrq